• Nome Próprio:   
  • Apelido:   

Os Belard

Genealogia e história de uma família em Belard.pt

Os Velardes de Santillana del Mar


Solar dos Velardes em Santillana del Mar, Espanha. Século XVI


Os Velardes são uma das mais antigas famílias das Astúrias. Como sempre sucede nestes casos, a sua origem perde-se no tempo e torna-se impossível definir qual a verdade histórica por trás das lendas e fantasias dos genealogistas; mas essas lendas não devem ser ignoradas, antes avaliadas no seu contexto histórico e cultural.

A tradição genealógica diz que os Velardes descendem de Ugoberto Verardo, da Casa Real de França e irmão de um Imperador alemão. Um cavaleiro desta linhagem, chamado Sancho Velarde, terá ido para Espanha (ou, melhor, para o Reino das Astúrias) no início da Reconquista, e dele se conta que salvou uma filha do rei asturiano, a Infanta Eneca ou Iñiga, que tinha sido capturada por um chefe mouro chamado Serpe ou Sierpe (serpente, dragão). Como recompensa, o rei deu-lhe a Infanta em casamento, sendo essa a origem da legenda que forma a bordadura do brasão dos Velardes: "Velarde que la sierpe mató con la Infanta casó".


Uma das versões do brasão dos Velardes, no Mosteiro das Huelgas de Burgos


Outra versão do brasão, esta numa pedra de armas conservada no Museu Arqueológico de Badajoz. O desenho desta pedra não é dos mais felizes: a serpente alada do 3º quartel parece um elefante...


A leitura heráldica do brasão dos Velardes, nesta versão mais corrente, é a seguinte:

Escudo esquartelado: o primeiro de vermelho, com três flores-de-lis de ouro; o segundo de ouro, com uma águia de negro; o terceiro de azul, com uma serpente de ouro, alada e retocada de verde; o quarto de verde, com duas onças de prata passantes; mantelado de prata, com uma árvore de verde; sobre o todo bordadura de prata, com o lema "VELARDE QUE LA SIERPE MATÓ CON LA INFANTA CASÓ".

O lema da bordadura apresenta frequentemente pequenas variantes.


Lendas àparte, existem registos referentes a Velardes em Santillana del Mar desde 15 de Setembro de 1073, data em que surge pela primeira vez o nome da família numa escritura pública. A casa de Velarde é uma das quatro ilustres famílias de Santillana del Mar que tinham assento privilegiado na Colegiada, juntamente com os Barreda, Villa e Polanco.


O autor deste site, Luís Belard da Fonseca, em frente do Solar dos Velardes em Santillana del Mar, em Setembro de 1976


Ainda existe em Santillana del Mar, para além do solar quinhentista cuja fotografia encima esta página, uma torre do século XV que foi uma das primitivas residências da família e que se reproduz a seguir.


Primitiva Torre dos Velardes em Santillana del Mar, Espanha. Século XV


Ao longo dos séculos, os Velardes provaram por variadíssimas vezes a sua nobreza e ocuparam lugares cimeiros na sociedade da época, tanto nas Astúrias como noutras regiões de Espanha para onde alguns ramos da família se deslocaram.

Vários enlaces matrimoniais com as famílias Cieza e Castañeda, de igual e antiga nobreza, aliados ao estabelecimento de vínculos e instituições semelhantes, originaram mesmo uma espécie de apelido composto, "Cieza Castañeda Velarde", que durante dois séculos se transmitiu unido nesta forma como se se tratasse de um apelido único.

A família Cieza é natural das Astúrias, da zona chamada as "Montanhas de Burgos", mais concretamente do Vale de Cieza de onde tomou o nome e que fica a uns 30 Km. de Santillana del Mar. Referidos sempre como fidalgos de linhagem antiga, contam-se dos Cieza grandes feitos de armas durante a Reconquista.

Os Cieza fizeram prova de antiga nobreza de sangue em 1515 perante a Real Chancelaria de Valladolid, e várias outras vezes desde então.

Quanto aos Castañeda, não são nem menos antigos nem menos nobres. Os genealogistas indicam como tronco da família o Conde Gutierre Rodriguez, que viveu em finais do século XI e foi o primeiro Senhor do Vale de Castañeda (que fica a c. 25 Km. de Cieza e a c. 20 Km. de Santillana del Mar) e era filho de Rodrigo Diaz, Duque das Astúrias e Conde de Oviedo, o qual era quinto neto do Rei D. Fruela II de Leão.

No Arquivo da Real Chancelaria de Valladolid existem trinta processos de comprovação de nobreza de sangue da família Castañeda, datando do século XVI ao XIX, e nesta família houve três Almirantes de Castela.





D. Pedro Velarde

Devo fazer aqui uma referência especial ao mais famoso dos nossos primos espanhóis, o capitão de artilharia D. Pedro Velarde, o herói do 2 de Maio de 1808, que incentivou e conduziu, com o também capitão D. Luis Daoiz y Torres, a primeira revolta do povo de Madrid contra as tropas invasoras de Napoleão. Pedro Velarde acabou por morrer, durante uma resistência heróica a um cerco e após um dia intenso de combates e tiroteios, mas o seu exemplo despoletou uma revolta generalizada contra os invasores franceses na Península e de alguma forma contribuiu para o início da queda de Napoleão.


Estátua de D. Pedro Velarde em Santander


Monumento aos Heróis do 2 de Maio em Madrid, na Plaza del Dos de Mayo. D. Pedro Velarde é a figura da esquerda


Os acontecimentos do 2 de Maio inspiraram dois dos mais famosos quadros de Goya, hoje no Museu do Prado: o "2 de mayo" e o "3 de mayo", este um dos mais impressionantes testemunhos pictóricos da violência e da brutalidade da guerra.


Francisco de Goya, "El dos de mayo de 1808 en Madrid: la lucha con los mamelucos", óleo sobre tela, 268 x 347 cm, 1814. Museu do Prado, Madrid


Francisco de Goya, "El tres de mayo de 1808 en Madrid: los fusilamientos en la montaña del Príncipe Pío", óleo sobre tela, 268 x 347 cm, 1814. Museu do Prado, Madrid


E para quem tenha interesse em saber um pouco mais sobre D. Pedro Velarde e as circunstâncias em que se deram os acontecimentos do 2 de Maio, sugiro a leitura de um livro fascinante de Arturo Pérez-Reverte, "Un Día de Cólera", que tem tradução portuguesa ("Um Dia de Cólera", Edições ASA, 2008). É uma descrição dos acontecimentos desse dia em forma romanceada, mas quase como uma reportagem jornalística, com escrupuloso respeito pela verdade histórica.


Capa da edição espanhola, Alfaguara, 2007


Capa da edição portuguesa, Edições ASA, 2008


A título apenas de curiosidade, os dois leões que ladeiam a escadaria de entrada do parlamento espanhol, o Congreso de Madrid, são popularmente chamados "Daoiz" e "Velarde", em homenagem aos heróis do Dois de Maio.


O leão da entrada do Congresso de Madrid, popularmente chamado Velarde. Fotografia de Luís Belard da Fonseca, 2017


E já que estamos em tom de gracejo, apetece-me contar que houve em 2012 uma pequena polémica a propósito desta estátua, por alguém ter reparado que a este leão faltam os testículos. A coisa chegou ao ponto de o Canal "Historia" ter lançado, com sucesso, uma campanha para a reposição dos apêndices em falta no bichinho... Esta campanha, que chegou a receber o prémio do Festival Iberoamericano de la Comunicación Publicitaria, motivou comunicados, desculpas e explicações da Câmara de Madrid e de outras instituições, que se justificavam com a perda dos moldes, com a terrível situação económica de Espanha na época em que as estátuas tinham sido feitas (e este é o terceiro par de leões encomendado para aquele local e função, datando de 1865) e com outras desculpas mais elaboradas que a própria importância da questão.

Finalmente, uma jornalista de Cádiz, mais culta e curiosa, investigou devidamente o problema e pôs a ridículo o Canal "Historia", a Câmara de Madrid e todos os outros intervenientes, esclarecendo que aquele leão não tinha, nunca tivera nem era suposto ter testículos, pela simples razão de ser, na verdade, uma leoa...

De facto, o escultor dos felinos, o espanhol Ponciano Ponzano, inspirou-se numa lenda da mitologia grega, a história de Atalanta e Hipómenes (ou Melanion, segundo outras fontes da antiguidade). Este parzinho, jovem e apaixonado, terá profanado o templo da deusa Cibeles (ou Ceres, para outros autores), a qual, como castigo, os transformou em animais e os condenou a nunca se poderem ver um ao outro, o que dá imenso jeito aos escultores que precisam de duas figuras olhando em direcções opostas, como é o caso. São estes mesmos Atalanta e Hipómenes que surgem como leões a puxar o carro da deusa Cibeles, na famosíssima estátua da Praça da Cibeles, em Madrid. Claro que, em boa verdade zoológica, as leoas não têm juba, mas isso estragava a simetria pretendida pelos escultores... Ou será uma leoa transgénero?

E está na altura de voltarmos a coisas sérias.





Genealogia

A falta (ou desaparecimento) dos livros paroquiais antigos das igrejas de Villayuso e Villasuso del Valle (Cieza) impede os genealogistas de estabelecer uma ligação segura entre os Velardes mais antigos de que se conhecem dados e os antepassados directos de D. Francisco de Assis Velarde y Romero (Belard). Assim, e embora indiscutivelmente as raízes da família cheguem, pelo menos, ao século XI, apenas a partir do século XVI é possível estabelecer com segurança a árvore genealógica, da seguinte forma:[1]

  • D. Juan de Cieza Castañeda casou com D. Maria Saez Velarde e tiveram:
  • D. Francisco de Cieza Castañeda Velarde, baptizado em 12/7/1570, o qual casou com D. Leonor de Cieza Velarde e tiveram:
  • D. Toribio de Cieza Castañeda Velarde, o qual casou com D. Maria Gonzalez e tiveram:
  • D. Toribio de Cieza Castañeda Velarde (II), o qual casou com D. Ana Gonzalez del Corral e tiveram:
  • D. Juan de Cieza Castañeda Velarde, baptizado em Santiurde a 14/10/1672, o qual casou com D. Maria Fernandez e tiveram D. Manuel de Cieza Castañeda Velarde, n. 1684, D. Cristobal de Cieza Castañeda Velarde e:
  • D. Juan Antonio de Cieza Castañeda Velarde, f. 13/11/1748, o qual casou com D. Clara Fernandez de Quijano, n. 1693 e f. 26/5/1760, filha de D. Marcos Fernandez de Quijano e de D. Josefa de Terán, e tiveram:
  • D. Joaquin Antonio de Cieza Castañeda Velarde, n. Villayuso del Valle de Cieza a 10/12/1728, b. 2/1/1729 (foi seu padrinho o pároco D. Antonio Velarde, certamente da família), o qual se mudou para Puerto Real, na província de Cádiz, onde casou na Igreja de S. Sebastián a 26/6/1756 com D. Magdalena de Barcia, natural de Puerto Real, filha de D. Alberto de Barcia e de D. Maria Bernal Jimenez, e tiveram:
  • D. Francisco Servando Velarde y Barcia, n. Puerto Real a 23/10/1766, b. igreja de Puerto Real a 27/10/1766, o qual casou nessa mesma igreja de Puerto Real com D. Margarita Romero, filha de D. Miguel Romero e de D. Inés Ascencia, e tiveram:


[1] A minha construção da ascendência de D. Francisco de Assis Velarde y Romero difere um pouco da apresentada pelo Dr. Jorge Forjaz na obra "Genealogias de São Tomé e Príncipe - Subsídios", 2011. A nossa fonte é a mesma, contudo: ele refere uma "carta de brasão de armas concedida a D. Laura Mantero Belard", eu tenho uma transcrição de uma "Certificación de genealogia, nobleza y armas a favor del Señor Don Antonio de Mantero Belard Velarde de Albuquerque y Castro", elaborada em 1927 por Don Félix de Rújula Martin Crespo Busel y Quirós, "Decano de los Cronistas Reyes de Armas de S.M.", portanto um documento oficial elaborado em Espanha ainda durante o reinado de Alfonso XIII, e que suponho seja o mesmo documento a que se refere o Dr. Jorge Forjaz. As divergências devem-se possivelmente a formas diferentes de interpretar as informações aí contidas.

[2] O ramo Mantero veio entroncar novamente nos Belard com o casamento de D. Francisco de Asis Diego José Maria del Rosário Mantero y Velarde (1853-1928), filho de D. Joaquina Maria Josefa Ignacia de la Santisima Trinidad Velarde y Romero (1818-?), com sua prima D. Maria Amélia Muller Belard (1870-1952), filha do 2º casamento de D. Francisco de Assis Velarde y Romero (Belard) (1823-1892), irmão de D. Joaquina Velarde y Romero.





Links rápidos

Contactar Connosco

Mensagem do webmaster

Se tiver alguma dúvida ou questão em relação a este site, por favor envie-me um e-mail. Procurei sempre documentar todas as informações apresentadas.